A presença feminina no setor de energia solar ainda é pequena. Em um ambiente predominantemente masculino, os desafios são ainda maiores. Além de ultrapassar diferentes barreiras, entre elas culturais, as mulheres têm se destacado em diferentes níveis, superando desafios com autonomia, competência e resiliência.

Muito além de políticas de inclusão e indicadores sociais, a JA Solar Brasil reconhece a força de trabalho feminina, do total de 12 colaboradores, quatro são mulheres e representam 33% de participação. Uma das maiores fabricantes de módulos fotovoltaicos do mundo, está no Brasil desde 2015 e tem mulheres na liderança nas áreas de marketing, engenharia e financeiro, sendo três delas em nível de gerência.

Deyla Jesus é formada em Administração de Empresas e comanda a área Financeira e de Operações com consolidada experiência de mercado. Izabel Guzzon, jornalista por formação é gerente de marketing enquanto Beatriz Carvalho, assume a coordenação. Na área técnica, Marina Dias, engenheira eletricista está à frente dos projetos de Geração Distribuída.

No universo corporativo que ainda é classificado pelo gênero e a maior porcentagem é masculina, as mulheres seguem a luta em um movimento rumo a equidade. Exemplos não faltam. Além da maternidade, Camila Nascimento se dedica ao empreendedorismo. Formada em administração de empresas com MBA em Gestão de Projetos, está à frente da WIN Solar, distribuidora de equipamentos fotovoltaicos localizada no Rio de Janeiro. Empresa do Grupo de Negócios All Nations, o convite para comandar a operação ocorreu em 2018 com a necessidade da ampliação do portfólio. “Estudei sobre energia fotovoltaica, fiz cursos de instalação e projetista para entender melhor as particularidades do setor,” explica a executiva.

Em termos de participação no mercado de trabalho, Camila pontua um comportamento ainda desproporcional, porém numa acentuada linha de crescimento. “Percebo as empresas mais abertas a compreenderem os benefícios em ter mulheres em diversas áreas, diversificando a equipe e considerando as diferentes habilidades. Em conjunto, uma busca cada vez maior em nível de especialização onde as próprias instituições de ensino oferecem modalidades personalizadas,” destaca.

Os quase mil quilômetros que separam os Estados do Rio de Janeiro e Santa Catarina, não interferem na bravura de outras mulheres que tem no trabalho um símbolo de independência. Para a mulher, a jornada se torna ainda mais desafiadora quando equilibrada com a materna. “Sou Amanda Rocha, mãe de três crianças maravilhosas, Augusto, Fernando e a Aline. Empreendedora da AFA Energia Solar que considero meu quarto filho e me desafia ao constante aperfeiçoamento,” revela Amanda com satisfação.  A eles, os mesmos cuidados, muito amor, carinho e dedicação, ensinamentos que reproduz dos aprendizados da formação em pedagogia e especializações na área de educação.

Localizada em Xaxim, cidade a Oeste do Estado com pouco mais de 27 mil habitantes, a AFA Solar é resultado do amor pela sustentabilidade e convicção em contribuir para um mundo melhor. Criada em 2021 já acumula bons resultados, zerou a emissão de gases CO² num período de 12 meses, e juntamente com o Sebrae agora está no processo de certificação ESG, sigla para Governança Ambiental, Social e Corporativa.

Para os desafios, especialmente quando se trata em subir no telhado, Amanda tem esforço de sobra e acumula as certificações para instalação de sistemas on grid e as Normas Regulamentadoras para (O&M) – Operação e Manutenção: Revisão, Manutenção e Limpeza nos sistemas fotovoltaicos. “Brinco que sou raiz, com perfil de empreendedora que coloca a mão na massa. Constantemente preciso provar para alguns clientes que realmente sou capaz, mas faço com o maior orgulho.”

A ENERGIA DELAS

Dados de 2022 da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), mostram que a proporção de mulheres que ocupam cargos em tempo integral na indústria solar fotovoltaica é de 40%, enquanto no petróleo e gás 22% e na eólica (21%), mas a maioria, (58%) atua em funções administrativas. Bianca Julião faz parte desta estatística, porém com o pé no telhado.  A escolha pelo segmento de energia solar teve influência do marido Wanderson Lira. Hoje, além dos compromissos administrativos, a empreendedora sobe no telhado e o casal prova que a união faz a força.  “Acompanhei toda trajetória dele nos últimos cinco anos, a partir da experiência, fundamos a Solar Impacto e hoje não me vejo trabalhando em outra área,” revela.

Mãe da Valentina e do Antônio, Bianca é diretora da Solar Impacto de Niterói Rio de Janeiro e tem na família a força motriz. Formada em Gestão Comercial, considera que as mulheres, cada vez mais, estão se sobressaindo. “Já é mais comum vermos profissionais incríveis em áreas de engenharia, comercial, financeira, administrativa e de marketing, a exemplo das que são meu braço direito na Solar Impacto,” destaca.

O contexto tem se modificando pelo esforço das que vieram antes e reivindicaram direitos e necessidades. Da mesma forma, o contínuo trabalho de quem busca seu espaço ao sol e, a cada avanço, é uma conquista de todas.

Quando pensamos em sucessão familiar, naturalmente a transferência das responsabilidades é atribuída ao filho homem. A empresária Liciany Ribeiro mudou esse paradigma e conduz com competência os negócios da família. Prestes a completar 50 anos em junho próximo, a Ribeiro, conhecida no mercado de materiais elétricos e automação, localizada em Curitiba, Paraná, ampliou os negócios. Em 2016 a abertura para o mercado de eficiência energética com a Ribeiro Solar, focada na distribuição de equipamentos fotovoltaicos. Desde então, a missão é conduzida por Liciany Ribeiro, filha do fundador Lício Ribeiro que vem ganhando notoriedade pelo perfil versátil e inovador.

Liciany é mãe da Olivia e Katarina, arquiteta por formação e está há nove anos no solar. Além de conduzir a Ribeiro, é coordenadora Regional da Absolar no Paraná e defende que o exemplo vem de casa. Na Ribeiro Solar, 10 mulheres ocupam diferentes cargos, reflexo de uma gestora que circula em diferentes frentes, na gestão dos negócios, contato direto com os clientes e no processo de importação.

Na distribuidora WIN Solar, as mulheres são maioria, 60% ocupam desde cadeiras na alta gestão, serviços gerais, logística e vendas. Mesma participação no quadro de colaboradores da Solar Impacto.